quarta-feira, 10 de junho de 2009

Abelha Jandaira de Volta ao Sertão dos Inhamuns - Ceará

Sertão dos Inhamuns, Ceará - Inicia Coleta de Mel de Jandaira.

JORNAL POVO - A primeira colheita do mel de jandaíra do Assentamento Xavier, na reserva Serra das Almas, em Crateús. É como um trabalho de parto. Até o pote ficar cheio, zelo extremo com a higiene e a cria. Chegam a conversar com as abelhas. O consultor do projeto, Ezequiel Macêdo, tem dessas colméias nos jardins de Seridó (RN) e ensinou o passo-a-passo da extração aos novos apicultores. Na hora da prova, o sabor do mel é mais puro, refinado. 1) As abelhas são postas fora das colméias temporariamente. Os caixotes são levados para um ambiente isolado por um véu. Para evitar moscas, mosquitos invasores e as próprias abelhas. Os apicultores usam luvas, avental e touca. 2) Na colméia, o apicultor destrói os favos com uma faca limpa. Inclina a caixa e deixa o mel escorrer para uma jarra. É indispensável uma peneira bem fina. 3) Até todo o mel descer lentamente, a colméia continua aberta. Da primeira colheita, foram extraídos 800 mililitros. Na segunda caixa, mais 750 ml. Depois, passam a encher potes de 250 ml 4) O Mel de Jandaíra do Sertão está embalado e pronto para venda. Há 13 produtores na comunidade. Cada pote custa R$ 20,00, valor 20 vezes maior que o do mel da abelha comum.


Agricultor com caixas racionais de Abelha Jandaira - Melipona subnitida


Agricultor contemplando trabalho das Abelhas sem Ferrão




Caixas com Crias e Potes de Mel e Pólen de Jandaira Potes de Pólen (Saburá)

Abelhas sem ferrão, a importância da preservação
(29/12/2005)



Fábia de Mello Pereira*

A criação racional das abelhas da tribo meliponini e da tribo trigonini é denominada de meliponicultura. Conhecidas popularmente como abelhas sem ferrão ou abelhas nativas ou indígenas, essas abelhas possuem ferrão atrofiado, não conseguindo utilizá-lo como forma de defesa. Algumas espécies são pouco agressivas, adaptam-se bem a colméias racionais e ao manejo e produzem um mel saboroso e apreciado. Além do mel, essas abelhas podem fornecer, para exploração comercial, pólen, cerume, geoprópolis e os próprios enxames. Outras formas de exploração são: educação ambiental, turismo ecológico e paisagismo.A polinização é outro produto importante fornecido pelos meliponideos. Uma vez que não possuem o ferrão, as abelhas nativas podem ser usadas com segurança na polinização de espécies vegetais cultivadas no ambiente fechado da casa de vegetação. Além disso, algumas culturas, como o pimentão, necessitam que, durante a coleta de alimento, a abelha exerça movimentos vibratórios em cima da flor para liberação do pólen. Esse comportamento vibratório é típico de algumas espécies de abelhas nativas, mas não é observado na abelha africanizada (Apis mellifera), que não consegue ser um agente polinizador eficiente dessas culturas.No Brasil são conhecidas mais de 400 espécies de abelhas sem ferrão que apresentam grande heterogeneidade na cor, tamanho, forma, hábitos de nidificação e população dos ninhos. Algumas se adaptam ao manejo, outras não. Embora vantajosa, a criação racional dessas abelhas é dificultada pela escassez de informações biológicas e zootécnicas, pois muitas sequer foram identificadas ao nível de espécie.Devido a essa diversidade, é fundamental realizar pesquisas sobre comportamento e reprodução específicas para cada espécie; adaptar técnicas de manejo e equipamentos; analisar e caracterizar os produtos fornecidos e estudar formas de conservação do mel que, por conter mais umidade do que o mel de Apis mellifera, pode fermentar com mais facilidade. A alta cotação do preço do mel das abelhas nativas no mercado, que em média varia de R$ 15,00 a 50,00 cada litro, aliada ao baixo investimento inicial e a facilidade em manter essas abelhas próximo das residências, tem estimulado novos criadores a iniciarem nessa atividade.Entretanto, muitos produtores em busca de enxames para povoarem os meliponários, acabam atuando como verdadeiros predadores, derrubando árvores para retirada das colônias, que, muitas vezes, acabam morrendo devido a falta de cuidado durante o translado e ao manejo inadequado.Outra causa da morte das colônias é a criação de espécies não adaptadas à sua região natural. É relativamente comum que produtores iniciantes ou experientes das regiões Sul e Sudeste do Brasil queiram criar abelhas nativas adaptadas às regiões Norte e Nordeste, e vice-versa. A falta de adaptação dessas abelhas às condições ambientais da região em que são colocadas acabam por matar as colônias, podendo contribuir para a extinção das mesmas.A quantidade de colônias nos meliponários também é um fator crucial para preservação das espécies. Várias pesquisas indicam que, quando a espécie criada não ocorre naturalmente na região do meliponário, são necessários pelo menos 40 colônias para garantir uma quantidade de alelos sexuais e evitar que os acasalamentos consangüíneos provoquem a morte das mesmas em 15 gerações. Embora somente três espécies de abelhas estejam na lista de animais em risco de extinção do Ibama (Exomalopsis (Phanomalopsis) atlantica; Melipona capixaba e Xylocopa (Diaxylocopa) truxali), e dessas somente a Melipona capixaba é social, sabe-se que nas reservas florestais a quantidade de ninhos de abelhas sem ferrão vem se reduzindo ano a ano.A extinção dessas espécies causará um problema ecológico de enormes proporções, uma vez que as mesmas são responsáveis, dependendo do bioma, pela polinização de 80 a 90% das plantas nativas no Brasil. Assim, o desaparecimento das abelhas causaria a extinção de boa parte da flora brasileira e de toda a fauna que dependa dessas espécies vegetais para alimentação ou nidificação. Conscientes do problema, o governo brasileiro, por meio do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) publicou no Diário Oficial da União em 17 de agosto de 2004 a RESOLUÇÃO Nº 346 DE 06 DE JULHO DE 2004, que disciplina a utilização de abelhas silvestres nativas, bem como a implementação do meliponário.Contudo, sabe-se que somente a criação de uma legislação normativa não é suficiente para preservação de espécies da fauna e flora nativa. É necessário, também, um programa informativo visando a capacitação e sensibilização para que os produtores não só sejam conscientizados, mas também sejam capazes de mobilizar e informar aos seus vizinhos sobre o problema. Resta, assim, fazer um apelo não só aos governos nos níveis federais, estaduais e municipais, mas também à sociedade como um todo para que se comece a divulgar os problemas acarretados pela retirada indiscriminada dessas abelhas da mata. A criação dos meliponídeos deve ser realizada com responsabilidade para evitar a extinção das abelhas e, a médio e longo prazo, a extinção da flora e fauna que dependem direta ou indiretamente desse importante agente polinizador.
*Pesquisadora da Embrapa Meio-Norte, Teresina-PI, fabia@cpamn.embrapa.br.

4 comentários:

Alessandra Marinho disse...

Com quem entramos em contato para fazer a compra? E é possível fazer o transporte desse mel para Fortaleza (realizar entrega)? Estou interessada em fazer análises com méis de jandaíra daqui do Ceará e apresentar um trabalho do projeto de de pesquisa.

Alessandra Marinho disse...

Meu e-mail: sandra.marinhos@gmail.com
Se tiver informação sobre mais algum apiário aqui no Ceará que trabalhe com mel de jandaíra eu agradeço.

Associação Arte Conjunta disse...

Gostaria de visitar o meliponario em Quixeramobim. Como conseguir o endereço ao telefone para contata-losCordialmente. Estudo apicultura na UFC e pretendo me dedicar a abelhas nativas.
Elaine Batista

antonio belo disse...

VENDO COLMEIAS DE ABELHA JANDAÍRA, TENHO 100 DISPONÍVEL 83 9682 3519. GMAIL:antoniobelo111@gmail.com